HOME » NOTÍCIAS « VOLTAR
07/09/2018

DIA HISTÓRICO | ASA comemora 18 anos do título alagoano de 2000

O dia 9 de julho de 2000, há 18 anos, ficará eternizado na mente da cidade de Arapiraca e toda torcida alvinegra da região Agreste, pois foi nesse dia que o ASA quebrava um longo jejum de títulos estaduais. O Alvinegro sagrava-se campeão estadual graças a um gol de cabeça do volante Jaelson, aos 25 minutos do segundo tempo da última partida da final diante do CSA, em Maceió no estádio Rei Pelé.


Com jogos de ida e volta em um disputado “turnão”, as quatro melhores equipes eram brindadas com a disputa de um quadrangular final. Caso o campeão da primeira fase se repetisse, o título de campeão alagoano seria dado de forma direta a essa equipe. Felizmente isso não aconteceu naquele fatídico ano.


Com a melhor campanha do primeiro turno, o CSA já estava classificado para a final, mas brigava pelo título do quadrangular. Após uma combinação de resultados nas partidas envolvendo CRB x CSA e ASA x Capela, os alvinegros avançaram ao quadrangular e conseguiram a oportunidade de disputar a fase final.


O quadrangular daquele ano foi disputado por Corinthians Alagoano, CSA, ASA e Murici, sendo marcado pela inclusão de árbitros de fora do Estado de Alagoas para apitar os jogos, conforme afirmou o ex-presidente da equipe alvinegra, Luciano Machado.


“A arbitragem do primeiro jogo do quadrangular entre CSA e Corinthians-AL foi bastante confusa. O Corinthians vencia o CSA, mas o árbitro da ocasião começou a complicar e expulsou dois jogadores do time da Via Expressa e a equipe do Mutange virou o jogo. Tememos pelos próximos jogos e foi a partir daí que optamos pela vinda da arbitragem de fora do Estado”, destacou o ex-presidente.


Por ter dois vencedores nas duas fases, o título seria disputado em mais três partidas. O CSA foi o melhor da primeira etapa e o ASA a seguinte, forçando os jogos extras.


“Por pouco não ficamos fora do quadrangular, porque na última rodada, tínhamos que vencer o Capela e torcer para que o jogo entre CRB e CSA terminasse empatado. Por sorte os resultados aconteceram e nos classificamos. No quadrangular final, jogávamos por um empate com eles em Maceió. Saímos atrás do marcador, mas o Jackson conseguiu empatar a partida em uma cobrança de falta quase do meio de campo, e graças a ele conseguimos o título da segunda fase”, confessou o ex-volante e hoje técnico Jaelson Marcelino.


Por ter sido campeão do primeiro turno, o CSA entrava em campo com a vantagem de três empates para se sagrar pentacampeão do Alagoano. No primeiro jogo, realizado em Arapiraca, o ASA entrou atônito e decepcionou a torcida alvinegra, perdendo a partida por 3 a 1.


Em clima de já ganhou, a diretoria do CSA já organizava festas em comemoração ao que poderia ser o quinto título consecutivo do time da capital.


Com a derrota dentro de casa, a torcida alvinegra não acreditava que o título de campeão alagoano poderia vir para Arapiraca naquele ano.


Ao contrário do que se imaginava, o ASA foi a Maceió e venceu a segunda partida pelo placar de 2 a 1, forçando o terceiro e último jogo, que também aconteceria no Estádio Rei Pelé. O presidente azulino ainda tentou transferir a partida para o campo do Mutange, mas a tentativa da diretoria foi em vão.


Vindo de provocações desde a primeira partida disputada em Arapiraca, o ASA foi ao Estádio Rei Pelé disputar a terceira e última partida da final do Campeonato Alagoano.


“Chegamos ao Rei Pelé e o estádio estava lotado. O torcedor do ASA também compareceu, mas em um número bem menor. No vestiário, o Quinho (Dr. Luiz Henrique) nos mostrou um CD que cantava o título do CSA em cima dos matutos. Depois que ouvimos aquilo, os olhos de todos os jogadores brilharam e o Quinho perguntou se deixaríamos aquilo acontecer. Entramos no jogo mordendo”, destacou o ex-volante.


A partida seguia de forma sufocante para ambos os times, a procura dentro de campo era incessante e seguia com cara de pentacampeonato para o CSA, pois jogava com a vantagem do empate naquela partida.


A equipe alvinegra não se deixou abalar pelas provocações e pelo jogo fora de casa, e em uma cobrança de escanteio, Marquinhos Girau bateu a bola na área, encontrando Jaelson livre para cabecear para o fundo das redes azulinas, aos 25 minutos do segundo tempo, consagrando como campeã a equipe do interior alagoano após vários anos de espera.


“Enquanto a bola viajava, eu estranhava o porquê de não estar sendo marcado por ninguém. Parecia que nenhum adversário me via sozinho dentro da área. Naquele momento eu me lembrei do sonho que minha irmã teve dias antes do jogo, que dizia que eu marcaria o gol do título do ASA. A bola chegava e eu pensava na minha irmã. Foi quando eu cabeceei e fiz o gol do título”, admitiu Jaelson.


Com o gol, o ASA comemorava o segundo título estadual e mudaria um ciclo dentro do clube arapiraquense, tornando-o o campeão da década do Campeonato Alagoano, um título da Taça Alagipe e o acesso para a Série B do Campeonato Brasileiro, além de um vice-campeonato na Copa do Nordeste em 2013.

Facebook Twitter Google Plus Todos os direitos reservados © 2018 Gilson Paulino